A importância da diversidade no universo dos hackathons

Um dos fatores que constituem a essência do hackathon é o estreitamento de laços dentro da comunidade que, consequentemente, fortalece o ecossistema. 

Para que tudo isso aconteça, algumas coisas precisam ser garantidas e uma delas (talvez a principal) é a diversidade entre os participantes.

Não me entendam mal, um hackathon precisa de mais mulheres (cis, trans e não-binárias) sim! Aliás, milhares de outros ambientes ainda carecem de presença feminina. Já falamos dessa necessidade do mercado tech em diversos textos deste blog, mas aqui o termo “diversidade” toma uma proporção um pouco maior.

Precisamos de diversidade em todos os significados possíveis! De gênero sim, mas também de skill, etnia, faixa etária, classe social, limitações e qualquer outro nicho que tenha um gap a ser preenchido. 

Não podemos deixar ninguém de fora! Não só porque os hackathons precisam ser sinônimo de inclusão e de representatividade, mas também porque é uma forma de garantir um ecossistema com insights e feedbacks variados. Nada de “mais do mesmo”, sabe?

Boas ideias surgem de diferentes formas de pensar, históricos diferentes, dores diferentes, experiências diferentes. Boas ideias surgem da DIFERENÇA! A diversidade impulsiona a inovação.

Se queremos que o hackathon seja um espaço de grandes conexões e soluções inovadoras, é necessário que seja um espaço para todos, um lugar onde qualquer um possa se sentir confortável em tentar. 

E quando dizemos QUALQUER UM, precisamos pensar naqueles que não tem fácil acesso à esse mundo. Mais do que isso, temos que diminuir a distância geográfica, o vão econômico, temos que fazer com que a vivência de um hackathon e de tudo que ele representa esteja ao alcance de todos.

E, cá entre nós, é muito mais fácil participar de projetos nos quais você se enxerga. O nome disso é representatividade

Acesse as principais
Técnicas empreendedoras

Feito com  em Gramado
2019 ©Todos os direitos reservados